quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Só a gente sabe viver a nossa própria história...

(fotografia de outra fotografia - cujo autor desconheço, por SCG)

Difícil falar sobre a história de alguém.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

AMOR X PALAVRAS


(fotografia, por SCG)


Palavras só servem de enfeite ou des-feito.
Eu fui ali buscar o amor, encontrei palavras, elas cozinhavam guizado, arrumavam a mesa, enfileiravam copos e talheres à mesa.
Quando me sentei, morri de fome.

Suzana Guimarães



Nota: mesma publicação, na mesma data, em O Medo De Suzana.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

NA RODA QUE RODOPIA




Vem, menina, vem, cantar cantigas pra roda que rodopia.
Pia, pia, pia uma dorzinha... 'vai passar, vai passar', dizia vovó Diodolinda.

(Suzana Guimarães/LILY)

quinta-feira, 7 de abril de 2011

RODOPIO


(Fotografia, por SCG)

"Como fosse um par que
Nessa valsa triste
Se desenvolvesse
Ao som dos Bandolins...
E como não?
E por que não dizer
Que o mundo respirava mais
Se ela apertava assim
Seu colo como
Se não fosse um tempo
Em que já fosse impróprio
Se dançar assim
Ela teimou e enfrentou
O mundo
Se rodopiando ao som
Dos bandolins...
Como fosse um lar
Seu corpo a valsa triste
Iluminava e a noite
Caminhava assim
E como um par
O vento e a madrugada
Iluminavam a fada
Do meu botequim...
Valsando como valsa
Uma criança
Que entra na roda
A noite tá no fim
Ela valsando
Só na madrugada
Se julgando amada
Ao som dos Bandolins..."

(Oswaldo Montenegro, em "Bandolins")

quarta-feira, 6 de abril de 2011

NADADORES

(fotografia, por SCG)



Deus, não acabe com este mundo porque ainda há os nadadores...

terça-feira, 5 de abril de 2011

A CERCA

(fotografia, por SCG)


Os céus fizeram a tua vontade. Deram-lhe a cerca necessária, a que querias, pedias, ambicionavas. Os céus sabiam tudo de ti, desde o início dos tempos. Tu só querias a leitura por frestas. Aí está, ei-la, é toda tua.

( por Suzana Guimarães)

segunda-feira, 28 de março de 2011

SEDONA, UM SONHO

(fotografia, por SCG)


"Amo em ti o que começou em mim e eu não pude mais acabar ou regressar."
(desconheço autoria)

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

IELLO

fotografia, por SCG

Custódia trabalhava para a minha bisa. Custódia não sabia ler e nem escrever. Custódia pedia pra Mona, "escreve carta para mim, pro meu namorado".
Nas férias da minha mãe, Custódia pedia para ela. Não que Custódia não marcasse encontro o ano inteiro, mas ela dava descanso pra Mona.
Minha mãe escrevia, mas sempre agarrava nos beijos.
Os beijos de Custódia pro namorado tinham que ser com gosto. Gosto de uva, morango, doce de leite, maracujá.
Minha mãe não entendia nada de beijos e eu sei que ela já beijava, eu sei. Minha mãe ria e Custódia insistia. E seguiam os beijos sem fim, com o gosto que vinha na boca da Custódia.

Este é o Iello, meu grande amor, olhei e gamei. Faço com ele o que bem entendo. Puxei o corpo para a cabeça e já mordi os pés e as mãos, bem mordido!

Ele ainda não me deu os beijos da Custódia, mas eu já deixei nele muito feijão, leite e uns biscoitinhos que saem do meu nariz, de vez em quando.

por Aninha&LILY

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011